Organizações-polo

Dentre as 100 organizações educativas que irão compor o programa Escolas2030 no Brasil, 14 integram o grupo de Organizações-polo. Distribuídas pelo Brasil, estas co-lideram o processo de formação das demais organizações educativas de sua região de abrangência juntamente à Equipe Coordenadora do programa. Conheça mais sobre elas:

Centro Integrado de Educação de Jovens e Adultos Campo Limpo (São Paulo/ SP)

Alicerçado na pedagogia de Paulo Freire, o Cieja Campo Limpo se dedica à educação de jovens e adultos na região do Capão Redondo, na capital paulista. Seu currículo é construído coletiva e cotidianamente: as atividades ali desenvolvidas são pautadas pelos interesses e vivências dos próprios educandos e da comunidade. 

Centro Integrado Municipal de Educação Prof. Dr. José Aldemir de Oliveira

Localizado na zona leste de Manaus, entre a zona urbana e rural, o CIME está inserido está em uma comunidade de alta vulnerabilidade social e oferta da Educação Infantil ao Ensino Fundamental 2. A escola trabalha com a concepção de educação integral e democrática, tendo como eixo norteador os princípios humanos e a educação popular.

Escola Comunitária Luiza Mahin (Salvador/ BA)

Com uma abordagem que valoriza a cultura e história afro-brasileira em todas as sua dimensões, a escola atua na Educação Infantil a partir de três eixos estruturantes: gênero, raça e pertencimento. Seu nome homenageia Luiza Mahin, que teve importante papel na Revolta dos Malês.

Escola Estadual de Educação Profissional Alan Pinho Tabosa (Pentecoste/ CE)

A EE Alan Pinho Tabosa atende alunos de cinco municípios da região, predominantemente rural. Idealizada em parceria com a Universidade Federal do Ceará (UFC), sua metodologia coloca os estudantes, liderados pelo professor, para trabalhar em pequenos grupos que se ajudam mutuamente para resolver problemas coletivos. 

Escola Municipal Anne Frank (Belo Horizonte/ MG)

Inspirada na história de luta, que dá origem ao bairro do Confisco, e nos valores humanitários deixados por Anne Frank, a escola tem como marca a diversificação curricular, que se dá por meio de uma série de projetos que estimulam o protagonismo dos estudantes, a valorização do território e o trabalho em rede. Suas ações incentivam as parcerias e a educação integrada com o entorno.

Escola Municipal Professor Paulo Freire (Belo Horizonte/ MG)

Prezando a pedagogia do educador que lhe empresta o nome, a Escola Municipal Professor Paulo Freire se orienta pelos valores da educação popular e da gestão democrática. Promove assembleias para decidir pautas pedagógicas e, nos fins de semana, funciona como um espaço social e cultural do território.

Escola Municipal Professora Acliméa de O. Nascimento (Teresópolis/ RJ)

Sua metodologia tem a figura do aluno como o centro do processo de aprendizagem, considerando seus interesses e curiosidades. Este fator demanda criatividade e pesquisa por parte dos alunos e professores, potencializando a escola como um território de aprendizagem para todos.

Escola Municipal de Ensino Fundamental Desembargador Amorim Lima (São Paulo/ SP)

Referência em gestão democrática e participação das famílias, a EMEF Amorim Lima prioriza a aprendizagem por meio de projetos. Na escola, os alunos desenvolvem suas pesquisas por meio de roteiros e sob a tutoria de um educador.

Escola Municipal de Ensino Fundamental Presidente Campos Salles (São Paulo/ SP)

Com participação efetiva das lideranças locais de Heliópolis, a EMEF Campos Salles baseia-se em três princípios – autonomia, responsabilidade e solidariedade – e atua conforme duas máximas: “tudo passa pela educação” e “a escola é um dos meios de articulação da comunidade.” 

Escola Municipal de Ensino Fundamental Profº Waldir Garcia (Manaus/ AM)

Primeira escola de educação integral de Manaus, a EMEF Profº Waldir Garcia é um local de articulação da comunidade. Uma de suas frentes de destaque é a valorização da diversidade a partir do trabalho integrado de alunos nascidos no país e imigrantes. 

Escola Municipal de Ensino Fundamental Zeferino Lopes De Castro (Viamão/ RS)

Localizada na zona rural, a Zeferino Lopes incentiva os estudantes a usarem dispositivos tecnológicos para construir projetos e artefatos baseados em seus interesses e desafios no campo. Os professores-orientadores atuam de forma interdisciplinar a partir das indagações dos aprendizes, em um processo similar à iniciação científica.

Escola Nossa Senhora do Carmo (Bananeiras/ PB)

A escola defende os princípios da educação popular e libertária e luta pela construção de um espaço físico integrado à realidade do campo, onde está inserida. Desde 2015, aboliu a seriação, as aulas e as provas do processo educativo e seu currículo passou a se organizar por projetos de pesquisa e roteiros de aprendizagem transdisciplinares.

Escola Pluricultural Odé Kayodê (Goiás/GO)

Pensada a partir dos saberes filosóficos das culturas indígenas e afro-brasileira, a escola reconhece a relevância da ludicidade e afetividade, a ancestralidade, as artes e a diversidade em uma concepção de educação que deve servir para que os sujeitos atuem politicamente na sociedade, provocando transformações sociais a partir da realidade local.

Instituto Federal do Paraná Campus Jacarezinho (Jacarezinho/PR)

O Instituto Federal do Paraná fomenta a educação profissional e tecnológica baseadas na autonomia e protagonismo estudantil e na criatividade docente. Por meio de projetos de extensão, os educandos levam os benefícios dos seus estudos e pesquisas para a comunidade.